quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Não quero saber...

Que dias loucos eu invento só para não pensar…não quero saber
Toca o despertador 6h30 da manhã.
Beijo meu homem, aconchego a roupa e digo baixinho
– Amor ainda é cedo
Visto a jardineira já é manhã
Desço num passo fecho - me na oficina
Trabalha berbequim trabalha…Não quero pensar…não quero saber
Vidros ladrilhados do berbequim saem
Em seus reflexos vejo uma cara marcada…Não quero pensar…não quero saber
Horas do pão, pego a sacola
Componho as marcas…da minha cara
- Bom dia vezinha
- Bom dia Sr.António
Com as mãos nos bolsos puxo a ganga da jardineira… amarrotada
- D. Graça bom dia
- Bom dia Elisabete
- Então essa perna?
- Está na mesma filha
- Ao fim da tarde estou por aqui
- Obrigado meu anjo
Viro costa, aliviada tiro o sorriso da cara
- Bom dia vizinha
- Ó Sr. João, bom dia – aceno com a mão
Continuo caminho…não quero pensar… não quero saber
Num alpendre entro, toco a campainha
- Ès tu minha linda?
- Sou D.Conceição
Abre a porta
- Então esse beijinho?
- Se não fores tu filha…
- Já estivemos a falar melhor. Onde está a pomada e a ligadura?
- Está no quarto
Massajo o braço meigamente, as dores são muitas
Enrolo a ligadura naquele braço que da vida está tão marcado
Não quero pensar…não quero saber
Um beijo lhe dou e na cara lhe faço uma festa
Compro o pão e faço o caminho ao contrário
- Bom dia Sr.Zé
- Bom dia vezinha
Rua acima lá vou eu não quero pensar… não quero saber
Subo as escadas, tiro a jardineira, escovo o cabelo e dou um jeito à cara vincada
Tenho que estar bonita para o meu amor
- Estás bem, tens dores?
- Está descansada, estou bem – responde a esconder aquilo que ambos sabemos
Faço o almoço, aprumo temperos
Não quero pensar…não quero saber
Lavo a loiça, digo tolices
Pareço uma barata tonta
Visto a jardineira, beijo o meu homem, meto os meus dedos nos seus cabelos grizalhos
Dou-lhe um beijo com demora
Agarro a sacola ponho a tiracolo
- Vou para a oficina até logo
Desço as escadas a velocidade de um soluço
Trabalha berbequim trabalha
Não quero pensar…não quero saber
4h da tarde, pego no telemóvel e com voz teatral
- Marido estas bem? Precisas de alguma coisa?
- Não baixinha, está descansada eu estou bem
. Homem meu tu por acaso sabes que te amo muito?
- E eu a ti baixinha
Desligo o aparelho
Trabalha berbequim trabalha
Não quero pensar…não saber
Pó e mais pó à minha volta
Não quero ver…
Cinco da tarde vou a casa da D.Graça, massajo a perna atrofiada
Volto para casa, beijo o meu amor
Tiro a jardineira e arrumo a cara cansada
Na cozinha estamos os dois
Faço a jantar, aprumo temperos
Falta a imaginação aos dois para tapar os silêncios
Jantar na mesa a fumegar nos olhos do meu homem espreita a desistência
E num repente salto com uma piada
Ele sorri, sabe a intenção
Temas sem nexo servem de motivo para conversas sem juízo
Ficamos na sala enquanto escrevo
Escrevo piadas…que são amargas
Não quero pensar…não quero saber
Meu homem vai deitar-se, já começa a ficar cansado
- Não demores baixinha, eu espero por ti
- Não demora nada
Escrevo coisas no ecrã
Outras no papel e essas faço batota
Deito fora…não quero ver
Vou deitar-me, enrosco-me nele em silêncio
Meia dúzia de tonteiras dizemos
Não queremos pensar…não queremos saber
Apagamos a luz
Não queremos ver… marcas no calendário
Será o que tiver que ser o FUTURO
Certezas de vida é neste AGORA



6 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Lendo o relato do seu dia, percebi que o meu dia é tão diferente do seu que me deu vontade de ser vc por um dia... ahaha

Beijocas

GUILHERME PIÃO disse...

Poxa, que dia agitado fiquei cansado só de ler...ehehe
Vida de mulher é assim...
Cade o "cigarro na mão"...senti a falta dele...ehehe
Abraços

mundo azul disse...

Minha querida amiga... Não querer saber é sempre pior...
Viver em dúvida...A dúvida judia mais do qualquer certeza.

Senti muita aflição nesse seu texto...Excelente como exercício literário, mas, com entrelinhas amargas...


Beijos de luz e o meu especial carinho, querida Elisabete!!!

_E se eu fosse puta...Tu lias?_ disse...

Sarava!


Tanta energia...música forte!
:)

Querida baixinha és forte...acredita num futuro mais colorido...
e vai aproveitando as pequenas coisinhas do presente;)


Um Xi enorme

O Profeta disse...

Segui os passos do teu dia...


Este impaciente vento
Solta a espuma de um escuro mar
Mistura o pranto e o riso
Aprisionados em sal solto no ar

Indomável é a tua vontade
Alimentas o fogo da solidão
Percorres caminhos incertos
Dás inquietação a uma oração


Bom fim de semana



Mágico beijo

Magui Jay disse...

Oh! Elisabete...

Somos tão dedicadas ao nosso Amor, mesmo quando o nosso corpo nos atormenta.

Tu uma perna... mais o braço do trabalho... Eu uma coluna... os braços... e o andar...

Mas somos fortes, estamos sempre do lado deles, dizendo que os amamos, e ainda temos tempo para nós... Não nos deixamos consumir pelas dores do corpo, nem da vida.

Somos mulheres de outra guelra!

Um abraço.