sexta-feira, 31 de outubro de 2008

As vezes que morri

Encostada no sofá oiço o cantar da chuva embalado pela música do vento
Procuro carinho na manta no seu abraço quente
Fecho os olhos, e vencida as lágrimas rolam
Quantas vezes já morri???
Não me lembro
Quantas vezes renasci???
Talvez não me queira lembrar
Olho para minhas mãos e o que tenho de meu…é tão somente os caixões em que me deito
Vitórias… essas, sorrio sempre com seu sabor tão amargo
Sinto o calor da manta que me enlaça como num feitiço
Penso no DEPOIS…e fecho os olhos
Acho que não quero mais saber de voltar a morrer
Eu sei que vou voltar a nascer SIM
Ahhhh como vou voltar a nascer
Mas esse nascimento que seja para mim eternamente infinito

4 comentários:

Daniella Paula disse...

"Quantas vezes renasci?"
Que bela pergunta...
Parabéns pela alma grande!!!

Cheiros!

Dama de Cinzas disse...

Oi amiga! Passando pra te ler! Texto lindo como sempre!

Beijocas

Siegrfried disse...

Quantas vezes morri?
Não sei dizer... Mas há dias em que desabamos qual torrente de verão, que cai com todas as forças e se esmaga diante do solo...
Mas após a torrente, a toda a chuva, vem o sol, que tudo aquece, e nos deixa com a sensação de renascimento!

GUILHERME PIÃO disse...

Nascer e morrer infinitamente...dá um trabalho danado...não...ehehe
Abraços