terça-feira, 3 de junho de 2008

Sem titulo...sem ilustração

Nos últimos tempos evadiste o meu pensamento, e num rasgar dorido somente hoje abro meu peito ferido
Somente hoje me permito chorar-te com lágrimas secas e mãos cerradas
Com um sorriso faço por compreender e aceitar este lembrar que ainda me faz doer
Foste aquela com andar bamboleante rias da vida
O sol com beijos pintava de azul, preto e comprido o teu cabelo
Roupas vistosas vestiam a tua silhueta, cintura fina, coxa roliça e na tua gargalhada desafiavas os homens ao ditarem cortejos
Um xaile escondia as tuas penas e te fazia companhia no Fado cantado com a tua voz de cotovia
Foste aquela que vendeu prazer com o corpo…toda a sua vida
A ti não culpo
Ainda eras uma menina
Largaram-te num caminho apenas com volta … não tinha saída
Volta essa que o assumir sempre recusaste
Os fantasmas das caras familiares e os olhares conhecidos sempre te assustaram
Depois… quando escolhas podias fazer … para ti era tarde
Naquela conversa de mulheres, com olhos dignos me disseste que estavas contaminada do vício do dinheiro fácil.
Na minha raiva aprendi a aceitar-te
Naquela conversa de mulheres e com olhos verdadeiros me disseste que nunca me desejaste
Na minha vergonha aprendi a respeitar – te
Toda a tua história por ti eu lamento
Na tua alegria estonteante sei que no fim dos clientes fecharem a porta era a solidão que te abraçava
Toda a tua história por ti choro
No teu Fado de paixões amargas cantavas a garra de quem quer ser amada
Mãe serás sempre aquela miragem que eu vejo no espelho em cada manhã
Mãe quero rir como tu, quero trazer dentro de mim essa sede de vida
Mãe quero para mim a mesma vaidade e sem pudor algum mostrar a minha natureza de mulher
Mas mãe não quero para mim esse xaile que tapava as tuas penas e com ele escondias o teu Fado (destino) cruel

4 comentários:

fadazul disse...

Amada! que surpres, que linda tua imensa capacidade de amar! Obrigada por ir me ver, volte sempre, voltarei, bjks

Com os olhos da Alma... disse...

Incrível é nosso poder de explodir o coração em pequenos e tantos detalhes e vê-los todos bater nossos penares!
Com que graça o universo põe em teu pensar palavras tão lindas!
Adoro vir à tua sala, que sempre me faz regalos na alma!
Um beijo
IFdA

Rui Caetano disse...

Bonito

Dama de Cinzas disse...

Agora entendi melhor!

Beijos