domingo, 7 de dezembro de 2008

Tenho um livro...


Deram-me um livro na hora em que nasci …que leio e releio sem nunca parar
Sua capa é um xaile…já velho
Dedicatória não tem…apenas um titulo “ Reciclar destinos”
Pego nele sempre com carinho
E releio vezes sem conta
E vezes sem conta, com sabor amargo sorriu
As personagens escondem lágrimas
Nas suas culpas, repousam razões em que deitam as vidas daqueles que os amam
E na minha leitura a compreensão é REI
Conta uma história igual a milhares de outras e…sempre reciclada nas emoções
Muitas vezes adormeço abraçada a ele, cansada de tanto o ler
No dia seguinte, pego nele e volto a ler
Os intervenientes mudam de cara, as lágrimas alteram o sabor e suas culpas em motivos diferentes
Mas a história, fica sempre igual
Perder procurando ganhar a libertação
História rodopiante e louca
Consigo ouvir os gritos torturados no silêncio de cada personagem
Consigo sentir os risos do ridículo das percas impostas
Mas o fim …esse não conheço
Nunca o li…pois sou eu que quem vai ditar cada palavra…reciclando assim as paginas do meu destino

2 comentários:

Siegrfried disse...

Queria possuir um livro desses...

Gostaria de saber das coisas que fiz outrora e das quais não me lembro...

É impressionante a capacidade que tens de compor textos maravilhosos e ao mesmo tempo tão reais!

Dama de Cinzas disse...

Me deram um livro tb quando nasci e eu o perdi... rs... e vivo tentando escrever um que me dê sentido...

Como vai vc, minha amiga?

Beijocas